Adolescência do bebê – Saiba como lidar

20220328 adolescencia bebe

Cada fase do desenvolvimento das crianças traz  momentos únicos, marcados com a alegria de cada conquista à medida que vão passando os meses e até dias, não é mesmo? 

A adolescência do bebe é uma dessas fases  que acontece entre  os 2 ou 3 anos da criança, conhecida como terrible two. Parece exagerado usar o termo terrível, ou adolescência, mas é uma fase de desenvolvimento onde a criança se enxerga fora da mãe, fora até das escolhas que os pais fazem.

É difícil para o bebe e para os pais que se perguntam: mas o que estou fazendo de errado ? mas porque ele grita tanto agora ? Se eu continuar falando sim pra ele, ele será mimado ? 

Todas essas questões podem parecer desesperadoras, mas como vamos  instituir uma educação cristã em meio de gritos, choros e sentimento de frustração? 

Leia até o final e conheça nossas dicas de como passar por essa fase, sem maiores traumas.

Entenda essa fase de desenvolvimento 

Começa com aqueles não excessivos,  recusa em aceitar sua condição e logo tem as birras, gritos e choros. Resumidamente eles não sabem lidar com as emoções. E por isso essa frustração causa tanta agressividade.

E logo você pensa: cadê aquele bebezinho fofinho, que deitado no berço ou no colo sorria ao final da soneca ou mamada ? 

É nessa fase que seu bebê, começa a emitir som, descobre as mãos, depois ela percebe que consegue se arrastar para chegar até um lugar, ou pegar aquilo que ela quer, andar e até  sair  correndo. É depois disso que a “tempestade” começa.

Para os  pais que têm crianças na faixa de 1 ano e meio a 3 anos, devem ter percebido recentes alterações no comportamento dos seus pequenos. E tenha certeza, ele está bem, sim , ele se desenvolve, cresce, questiona, descobre que pode fazer algumas coisas pela movimentação dele próprio e ainda escolher chamar sua atenção.

O fato é que crianças cristãs ou não cristãs, passarão por essa fase de desenvolvimento e terão que ser instruídas e educadas para que possam acompanhar com equilíbrio o ritmo ou a vivência na casa com a família. 

1 – Avalie a atual necessidade da criança

Tenha compressão se o momento em questão envolve sono, fome ou cansaço. Precisa  ter certeza da necessidade da sua criança, pois não são só as necessidades emocionais que poderão deixá-la agressiva.

Pela sociedade Brasileira de Pediatria as horas de sono necessárias para essa faixa etária são 11 a 14 horas, incluindo as sonecas do dia.

2- Não tenha medo de julgamentos

Nessa fase ou em qualquer fase de desenvolvimento do seu filho, não há ninguém  melhor que os pais para educar seus filhos. Por mais que passe por momentos que se sinta julgado, lembre-se que as crianças são imaturas e precisam do nosso direcionamento para entender o que sentem.

“ Instrui o menino no caminho em que deve andar e até quando envelhecer não desviará dele” Prov.22-6.

Hoje a sociedade impõe certas interferências que podem responder ou não às suas realidades.  A aventura e desafio em se educar um filho o guiará por mais outras fases, por esse motivo antes mesmo de ensinar o seu filho, busque na palavra de Deus a sabedoria e o discernimento para ajudá-la a formar o caráter do seu filho.

3 – Prepare uma rotina com as crianças

Eles precisam saber o que vai acontecer ou o que pode acontecer para que na cabecinha deles eles consigam organizar uma ordem. 

Por isso é importante avaliar se eles estão cansados por muitas atividades, ou poucas atividades. Pois a birra  acontece com mais frequência quando estão cansados , com fome ou frustrados. 

Ao planejar uma rotina, proponha a eles; o momento de soneca, hora de comer, hora de orar, brincar com blocos, hora de de passear pelo condomínio…perceba que são tarefas simples e curtas, que farão ele repetir uma rotina e você terá a chance de mostrar como será realizado. 

4 – Encoraje as crianças para que façam suas próprias escolhas.

Por exemplo: Você prefere tomar banho agora ou depois de ler o livro ?

Eles se sentirão ouvidos, participantes da família da casa e da atividade. E você estará dando os limites ou direcionando dentro do que é possível ser feito.

A ideia que a criança pode escolher você poderá usar em outras situações, como juntar os brinquedos, na hora das ordens; você quer guardar sozinho ou quer que eu ajude? Pense em opções que ela realmente consiga cumprir.

5 – Seja acolhedor e paciente

É sem dúvida uma fase um tanto quanto desafiadora para os pais, mas não se esqueça que ele está crescendo e você o direciona e ensina o que ele de fato está sentindo.

6- Abraços, colos e beijos são livres

No momento da birra pode ser difícil ele entender que você quer abraçar enquanto ele está nervoso, entretanto aproveite para olhar para seu pequeno e dizer que entende o que ele está passando.

De maneira geral as birras acontecem por que a criança não sabe lidar com suas próprias emoções e acaba por gritar ou chorar demais.

Por isso, depois de conseguir acalmar oferecendo colo, converse falando sobre as emoções e de alguma forma proporcione uma atividade que faça entender um pouco sobre a emoção.

Não deixe de elogiar, lembra que sua criança tem notado que pode fazer algumas coisas sozinho; então quando elogiar terá percebido e isso demonstrará atenção e carinho para com ela.

7 – Dicas do Clube Ovelhinhas

Ao ser assinante do nosso clubinho, você recebe livros que podem fazer parte da sua rotina e até te ajudar a praticar algumas das dicas que citamos acima. Serão momentos especiais tanto para os pais quanto para os seus pequenos que estarão concentrados em seus comandos e vão realizar junto de você cada passo.

Nos livros, existem histórias que falam sobre autocontrole, que falam sobre a importância de dividir e ser paciente. E com o tempo, e com a leitura, você ajuda as crianças a reagirem com menos agressividade em outras situações que podem surgir.

 8 – Contextualize os próximos passos

Fale pra ele onde vão o que irão fazer e fale também o que espera que ele faça.

Na cabecinha deles, eles não imaginam o que vai acontecer ou o que pode acontecer, você planejar ajudará a desenvolver a criatividade e o pensamento.

9 – Dê nomes as emoções.

Claro que em um momento mais calmo, será importante ele saber os nomes das emoções e ensinar também a ver as expressões dos personagens e o que pode fazer quando cada emoção aparece.  

Então, em algum momento da leitura exercite essa atividade com ele, certeza que será momentos de aprendizado para vida da sua criança e da sua também.

Gostou desse conteúdo? Então aproveite para conhecer os outros artigos do Blog e seguir o Clube Ovelhinhas por lá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.